sábado, 1 de outubro de 2011

Porque eu gosto de você



Eu gosto de você não é porque você é bonita, cheirosa e gostosa. É porque eu gosto de ficar com você. Eu gosto da sua companhia. E ponto. Eu gosto de você não é porque dorme comigo todas as noites, é porque fica acordada. Eu gosto de você não é quando você está pequena e precisa de mim, mas quando está grande e me quer mesmo assim.


Eu gosto de você porque você me dá saudades. Eu gosto de você porque você me dá tesão. Eu gosto de você porque a gente, junto, é uma erupção. E com ponto de exclamação. Eu gosto de você não só pelas chegadas ou por todas as partidas, mal feitas ou mal vistas, mas pelas idas e vindas, aceitas, azedas, mal resolvidas. E até pelo contrário. Eu gosto de você não só pelas coincidências ou pelas eficiências, mas por todas as nossas incoerências, as nossas diferenças.

Eu gosto de você pelo desequilíbrio. Eu gosto de você porque você me desequilibra. Eu gosto de você porque me faz sofrer, me faz sorrir. Eu gosto de você porque você me faz crescer, ouvir. Ou vir. Eu gosto de você porque você me faz assim, e eu a você. Eu gosto de você porque a gente se entende. Porque a gente se desentende. Porque a gente entende. Eu gosto de você não só porque dividimos a mesma escova de dente, mas porque quando necessário, a gente se mente. A gente até mente. Eu gosto de você porque você me cobre, e eu te cubro, e a gente se enrola. Eu gosto de você não só pela beleza, e olha que és bela, mas por também me tratar com singeleza. E haja destreza. Eu gosto de você porque eu gosto de estar com você. Eu gosto de você porque eu gosto de ficar nu com você. Eu gosto de transar com você. Eu gosto de você e, mesmo gostando, escolhi gostar de você. Eu gosto de você porque eu te escolhi e você a mim.

Eu gosto de você não é porque me cura quando eu volto da boemia. A gente, meu bem, é que se cura. Eu gosto de você não é só pelo nosso sexo, intenso, mas pelo que a gente faz depois. Eu gosto de você não pelos filmes, ou pelas drogas, ou pelas festas. Eu gosto de você não pelas sinas, ou pelas trocas, ou pelas frestas. Eu gosto de você porque, mesmo  às vezes não querendo, eu gosto. E é de graça. Eu gosto de você porque sai caro, senão não teria graça. Eu gosto de você porque você sorri. Eu gosto de você porque você corre, para, olha e volta a correr. Eu gosto de você assim.

Eu gosto de você não pelos amigos, pois amigos todo mundo têm. Eu gosto de você por causa dos nossos amigos. E eles gostam da gente por causa da gente. Eu gosto de você por que a gente ri. Junto. Eu gosto de você porque a gente chora. Junto e separado. Eu gosto de você porque a gente não escolhe. A gente se escolhe. A gente encolhe. Eu gosto de você porque a gente é metade. Eu gosto de você porque eu gosto desse seu jeito, assim, rebelde sem causa.

Eu gosto de você não é pelo que a gente tem, mas pelo que a gente é. Eu gosto de você não só quando eu gozo. Muito. Eu gosto quando a gente. Eu gosto de você porque eu te faço, refaço, e você a mim, e a gente à gente. Eu gosto de você não só por você gostar de mim, e eu de você, mas por você ser você, e eu ser eu, e a gente ser tudo o que a gente quer, incrivelmente, ao mesmo tempo, assim, assim.

4 comentários:

  1. Ou melhor: "nossa! nossa! assim você me mata!" rsrss...

    ResponderExcluir
  2. Nem palavras para comentar tal proesa...vc disse tudo!!!ADOREI!!!

    ResponderExcluir